segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

APRENDER ANTROPOLOGIA, FRANÇOIS LAPLANTINE

LAPLANTINE, François. Aprender Antropologia. Editora Brasiliense – 8ª Ed. Trad. Marie-Agnés chauvel. SP 1994.
O CAMPO E A ABORDAGEM ANTROPOLÓGICOS
“O projeto de fundar uma ciência do homem – uma antropologia – é, ao contrário, muito recente. De fato, apenas no final do século XVIII é que se começa a constituir um saber científico que toma o homem como objeto de conhecimento, e não mais a natureza, apenas nessa época é que o espírito científico pensa, pela primeira vez, em aplicar ao próprio homem os métodos até então utilizados na área física ou biológica”.                                                                                                               
“As sociedades estudadas pelos primeiros antropólogos são sociedades longínquas as quais são atribuídas as seguintes características: Sociedades de dimensões restritas, que tiveram poucos contatos com os grupos vizinhos; cuja tecnologia é pouco desenvolvida em relação a nossa; e nas quais há uma menor especialização das atividades e funções sociais. São também qualificadas de “simples”; em conseqüência, elas irão permitir a compreensão, como numa situação de laboratório, da organização “complexa” de nossas próprias sociedades”.                                                                                                                              
Por muito tempo acreditou-se que o objeto de estudo da antropologia eram as sociedades ditas primitivas, assim, com o rápido desenvolvimento das sociedades, o “selvagem”, está, por assim dizer, sujeito ao desaparecimento. Surge daí, uma crise na antropologia: Será que com o desaparecimento do selvagem também desaparecerá a antropologia?                                     
A resposta a essa pergunta passa por três estágios, o primeiro diz que se o objeto de estudo perder-se, poderá o antropólogo passar a estudar a “sociologia”, ele também pode estudar o camponês, como uma espécie de selvagem, e, por fim, o aspecto epistemológico, quiçá o mais viável.                                                                                                                                                          
“O objeto teórico da antropologia não está ligado, na perspectiva na qual começamos a nos situar a partir de agora, a um espaço geográfico, cultural ou histórico particular. Pois a antropologia não é senão um certo olhar, um certo enfoque que consiste em: 1 – O estudo do homem interior; 2 – O estudo do homem em todas as sociedades, sob todas as latitudes em todos os seus estados e em todas as épocas.” p 16.
In, O estudo do homem inteiro
Uma abordagem antropológica objetiva levar em consideração as múltiplas dimensões do ser humano em sociedade. Existem cinco áreas da antropologia que o pesquisador deve estudar ao trabalhar de maneira ampla:
1 – Antropologia Biológica – consiste no estudo das variações dos caracteres biológicos do homem no espaço e no tempo. Sua problemática é a das relações entre o patrimônio genético e o meio (geográfico, ecológico, social), ela analisa as particularidades morfológicas e fisiológicas ligadas a um meio ambiente, bem como a evolução destas particularidades. p 17.
2 – Antropologia Pré-Histórica – É o estudo do homem através dos vestígios materias enterrados no solo (ossadas, mas também quaisquer marcas da atividade humana). Seu projeto, que se liga a arqueologia, vida reconstruir as sociedades desaparecidas, tanto em suas técnicas e organizações sociais, quanto em suas produções culturais e artísticas. p 17.
3 – Antropologia Linguística – A linguagem é, com toda evidência, parte do patrimônio cultural de uma sociedade. É através dela que os indivíduos que compõem uma sociedade se expressam e expressam seus valores, suas preocupações, seus pensamentos. Só o estudo da língua permite: Compreender como os homens pensam o que vivem e o que sentem; como eles expressam o universo e o social; como, eles interpretam seus próprios saber e saber-fazer.
4 – Antropologia Psicológica – Consiste no estudo dos processos e do funcionamento do psiquismo humano. Somente através dos comportamentos – conscientes e inconscientes – dos seres humanos particulares podemos apreender essa totalidade sem a qual não é antropologia. É a razão pela qual a dimensão psicológica (e também psicopatológica) é absolutamente indissociável do campo do qual procuramos aqui dar conta. p 19.
5 – Antropologia Social e Cultural (ou etnologia) – Diz respeito a tudo quanto constitui sociedade: seus modos de produção econômica suas técnicas, sua organização política e jurídica, seus sistemas de parentesco, seus sistemas de conhecimento, suas crenças religiosas, sua língua.
In, O estudo do homem em sua diversidade
“Aquilo que, de fato caracteriza a “unidade” do homem, de que a antropologia como já o dissemos e voltaremos a dizer, faz tanta questão, é sua aptidão praticamente infinita para inventar modos de vida e formas de organização social extremamente diversos. E, a meu ver, apenas a nossa disciplina permite notar, com a maior proximidade possível, que essas formas de comportamento e de vida em sociedade que tomávamos todos espontaneamente por inatas (nossas maneiras de andar, dormir, vestir, encontrar, emocionar …) são, na realidade, o produto de escolhas culturais. Ou seja, aquilo que os seres humanos tem em comum é sua capacidade para se diferenciar uns dos outros, para elaborar costumes, línguas, modos de conhecimento, instituições, jogos profundamente diversos; assim, se há algo natural a espécie humana é a sua aptidão à variação cultural”. p 22.
In, Dificuldade
1 – A primeira dificuldade se manifesta, como sempre, ao nível das palavras. Etnologia ou Antropologia? A primeira (de origem francesa) estuda a pluralidade irredutível das etnias, isto é, das culturas. A segunda (anglo-saxônica), estuda a unidade do gênero humano. Optando-se por antropologia, deve-se falar em Antropologia Social – cujo objetivo privilegiado é o estudo das instituições – ou (com os autores americanos) de Antropologia Cultural – que consiste mais no estudo dos comportamentos. p 25.                                                                                                                                                                                            
2 – A segunda diz respeito ao gral de cientificidade que convém atribuir a antropologia. O homem está em condições de estudar cientificamente o homem, isto é, um objeto que é da mesma natureza que o sujeito? Para Radcliffe-Brown (1968), as sociedades são sistemas naturais e devem ser estudadas como tais. Para Evans-Pritchard (1969), as sociedades devem ser estudadas como sistemas simbólicos. p 26.                                                                                                                                                               
3 – Uma terceira dificuldade é a relação da antropologia com a história. Estreitamente vinculadas nos século XVIII e XIX, as duas práticas vão rapidamente se emancipar uma da outra no século XX. As rupturas, de fato, se devem em grande medida aos antropólogos. Evans-Pritchard “O conhecimento da história das sociedades não é de nenhuma utilidade quando se procura compreender o funcionamento das instituições”. Leach “A geração de antropólogos a qual pertenço tira seu orgulho de sempre ter-se recusado a tomar a história em consideração”. P 26.                                                                                                                   
4 – O antropólogo deve contribuir enquanto antropólogo, para a transformação das sociedades que ele estuda? Minha convicção é que o antropólogo, para ajudar os atores sociais a responder a essa questão, não deve, pelo menos enquanto antropólogo, trabalhar para transformação das sociedades que estuda. Auxiliar uma determinada cultura na explicitação para ela mesma de sua própria diferença é uma coisa; organizar política, econômica e socialmente é outra coisa. P 30.
PRIMEIRA PARTE
MARCOS PARA UMA HISTÓRIA DO PENSAMENTO ANTROPOLÓGICO
1 – A PRÉ-HISTÓRIA DA ANTROPOLOGIA:
A descoberta das diferenças pelos viajantes do século XVI e a dupla resposta ideológica dada daquela época até nossos dias.                                                                                                                                                                                                                           “A gênese da reflexão antropológica é contemporânea à descoberta do Novo Mundo. O renascimento explora espaços até então desconhecidos e começa a elaborar discursos sobre os habitantes que povoam aqueles espaços.”
In, A figura do mal selvagem e do bom civilizado.
“A extrema diversidade das sociedades humanas raramente apareceu aos homens como um fato, e sim como uma aberração exigindo uma justificação. A antiguidade grega designava sobre o nome de bárbaro tudo o que não participava da helenidade, o renascimento, os séculos XVII e XVIII falavam de naturais ou de selvagens, opondo assim a animalidade a humanidade. O termo primitivos é que triunfará no século XIX, enquanto optamos preferencialmente na época atual pelo subdesenvolvido”.
“Além da religião, outro critério para avaliação das sociedades ditas primitivas seria:
1 - A aparência física: Eles estão nus ou “vestidos de peles de animais”;
2 – Os comportamentos alimentares: Eles “comem carne crua”, e é todo o imaginário do canibalismo que irá aqui se elaborar;
3 – A inteligência tal como pode ser apreendida a partir da linguagem: eles falam “uma língua inteligível”.
De Pauw, nos propõe suas reflexões a respeito dos índios da América do Norte:
“Deve existir nos americanos, uma causa qualquer que embrutece sua sensibilidade e seu espírito. A qualidade do clima, a grosseria de seus humores, o vício radical do sangue, a constituição de seu temperamento excessivamente fleumático podem ter diminuído o tom e o saracoteio desses homens embrutecidos” p 43.                                                                                 
Acreditando que os povos que viviam abaixo da linha latitudinal que até então dividia o mundo, eram inferiores, um autor escreveu o seguinte: “A natureza tirou tudo de um hemisfério desse globo para dá-lo a outro, a diferença entre um hemisfério e o outro é total, tão grande quanto poderia ser e quanto podemos imaginá-la”. p 44.                                                   
“Os julgamentos que acabamos de relatar – que estão, notamos, em ruptura com a ideologia dominante do século XVIII, em especial com o “Discurso sobre a Desigualdade”, de Rousseau, publicado vinte anos antes – por excessivos que sejam apenas radicalizam ideias compartilhadas por muitas pessoas nessa mesma época. Ideias que serão retomadas e expressas nos mesmos termos em 1830 por Hegel, o qual, em sua “Introdução à Filosofia da História”, nos expõe o horror que ele ressente frente ao estado de natureza, que é o desses povos que jamais “ascenderão” à história e à “consciência de si”.p 45.               
Ainda segundo Hegel, na “Fenomenologia do Espírito” o “negro” nem mesmo se vê atribuir o estatuto de vegetal. “Ele cai”, escreve Hegel, “para o nível de uma coisa, de um objeto sem valor”.p 46.
In, A figura do bom salvagem e do mal civilizado.
“O caráter privativo dessas sociedades sem escrita, sem tecnologia, sem sacerdotes, sem religião organizada, sem clero, sem polícia, sem leis, sem estado – acrescentar-se-á no século XX sem complexo de Édipo – não constitui uma desvantagem. “O selvagem não é quem pensamos”. Entretanto, “a figura do bom selvagem só encontrará sua formulação mais sistemática e mais radical , dois séculos após o renascimento: no rousseauísmo do século XVIII, e, em seguida, no Romantismo”.                                                                                                                                                                                                      
Num elogio ao estado original de natureza. Léry, entre os Tupinambás, interroga-se sobre o que se passa “aquém”, isto é, na Europa. Ele escreve, a respeito de nossos grandes usuários: “eles são mais cruéis do que os selvagens dos quais estou falando”. E Montaigne, sobre esses últimos: “Podemos de fato chamá-los de bárbaros sobre as regras da razão, mas não quanto a nós mesmos que os superamos em toda a sorte de barbáries”.                                                                                                                          
Em resumo, “a partir da observação direta de um objeto distante (Léry) e da reflexão a distância sobre este objeto (Montaigne), tem-se a constituição progressiva, não de um saber antropológico, muito menos de uma ciência antropológica, mas sim de um saber pré-antropológico. p 53.
2O SÉCULO XVIII:
A invenção do conceito de homem
“Se durante o renascimento esboçou-se, com a exploração geográfica de continentes desconhecidos, a primeira interrogação sobre a existência múltipla do homem, essa interrogação fechou-se muito rapidamente no século seguinte, no qual a evidência do “COGITO”, fundador da ordem do pensamento clássico, exclui da razão o louco, a criança, o selvagem, enquanto figuras da anormalidade”.                                                                                                                                               
“Será preciso esperar o século XVIII para que se constitua o “projeto” de fundar uma “ciência de homem”, isto é, “positivo” sobre o homem. Enquanto encontramos no século XVI elementos que permitem compreender a pré-história da antropologia, enquanto o século XVII interrompe nitidamente essa evolução, apenas no século XVIII é que entramos verdadeiramente, como mostrou Foucault (1966), na modernidade. Apenas nessa época, e não antes, é que se pode apreender as condições históricas, culturais e epistemológicas da possibilidade daquilo que vai se tornar a antropologia”.
“O projeto antropológico (e não a realização da antropologia como a entendemos hoje) supõe:
1 - “A construção de um certo número de conceitos”, começando pelo próprio conceito de homem, não apenas enquanto sujeito, mas enquanto objeto do saber, abordagem totalmente inédita (sujeito observante e sujeito observável).                 
2 - “A constituição de um saber que não seja apenas de reflexão, e sim de observação”, começa a constituição dessa “positividade” de um saber “empírico” (e não mais transcendental) sobre o homem enquanto ser vivo (biologia), que trabalha (economia), pensa (psicologia) e fala (linguística). Bebendo de Montesquieu “O Espírito das Leis”, Saint-Simon foi o primeiro a falar em uma “ciência da sociedade”.p 55.                                                                                                                                                               
3 - “Uma problemática essencial”: a da diferença. “A sociedade do século XVIII vive uma crise da identidade do humanismo e da consciência europeia. Parte de suas elites busca suas referências em um confronto com o distante”.                          
4 - “Um método de observação e análise – o Método Indutivo”, os grupos sociais que começam a ser comparados a organismos vivos, podem ser considerados como sistemas “naturais” que devem ser estudados empiricamente, a partir da observação de fatos, a fim de extrair princípios gerais, que hoje chamaríamos de leis. Os principais pensadores foram Adam Smith, e, antes dele, David Hume.                                                                                                                                                                                   
A partir da “natureza dos objetos observados”, a perspectiva, antes cosmográfica (Séculos XVI e XVII), assume um viés etnográfico, e, apenas no século XVIII se traça o “primeiro esboço daquilo que se tornará uma antropologia social e cultural. Simultaneamente, o foco passa do “objeto de estudo” para a “atividade epistemológica”. “Não basta mais observar, é preciso processar a observação. Não basta mais interpretar o que é observado, é preciso interpretar interpretações”. É essa atividade de organização e elaboração que, em 1789, Chavane chamará de “ETNOLOGIA”.p 58.                                            
Mesmo o século XVIII sendo essencial a elaboração dos fundamentos de uma “ciência humana”, ainda existiam obstáculos que impediam o advento de uma antropologia cientifica, os quais são:
1 - “A distinção entre o saber cientifico e o filosófico”.                                                                                                                         
2 – A não separação do discurso antropológico do século XVIII da história natural.
3 O TEMPO DOS PIONEIROS
Os pesquisadores-eruditos do século XIX                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                             “O século XVI descobre e explora espaços até então desconhecidos e tem um discurso selvagem sobre os habitantes que povoam esses espaços. Após um parêntese no século XVII, esse discurso se organiza no século XVIII: ele é “iluminado” a luz dos filósofos, e a viagem se torna viagem filosófica”. No século XVIII, […] é a época durante a qual verdadeiramente se constitui a antropologia enquanto disciplina autônoma: a ciência das sociedades primitivas em todas as dimensões (biológica, técnica, econômica, política, religiosa, linguística, psicológica...)” p. 63.                                                                                       
“Com a “Revolução Industrial Inglesa e a Revolução Política Francesa, percebe-se que a sociedade mudou e nunca mais voltará a ser o que era. No século XIX, o contexto geopolítico é totalmente novo: é o período da conquista colonial, que desembocará em especial na assinatura, em 1885, do Tratado de Berlim, que rege a partilha da África entre potências européias e poe um fim as soberanias africanas. É no movimento dessa conquista que se constitui a antropologia moderna, o antropólogo acompanhando de perto, como veremos, os passos dos colonos... É no pensamento teórico dessa antropologia que consiste a Teoria Evolucionsita.”                                                                                                                                                                                              
“O que é também muito característico dessa antropologia (evolucionista), que pretende ser cientifica, é a considerável atenção dada:
1 – A essas populações que aparecem como sendo as mais “arcaicas” do mundo: os aborígenes australianos;                     
2 – ao estudo do parentesco;                                                                                                                                                                   
3 – e ao da religião.
“Esmagados sob o peso dos materiais, os evolucionistas consideram os fenômenos recolhidos (o totemismo, a exogamia, a magia, o culto aos antepassados, a filiação matrilinear...) como costumes que servem para exemplificar cada estágio. E quando faltam documentos, alguns (Frazer) fazem por intuição a reconstituição dos elos ausentes, procedimento absolutamente oposto, como veremos mais adiante, ao da etnografia contemporânea, que procura, através da introdução de fatos minúsculos recolhidos em uma única sociedade, analisar a significação e a função das relações sociais.” p. 70.        
“Isso colocado, como é fácil – e até risório – desacreditar hoje todo o trabalho que foi realizado pelos pesquisadores – eruditos da época evolucionista.”.  “...mas como poderíamos criticá-los por isso, já que eles foram precisamente os fundadores de uma disciplina que não existia antes deles.”p.72.                                                                                                                                               
“O que é iminentemente característico desse período é a intensidade do trabalho que realizou, bem como sua imensa curiosidade. Durante o século XIX, assistimos a criação das sociedades cientificas de etnologia, das primeiras cadeiras universitárias, e, sobretudo, dos museus como o que foi fundado no palácio de Trocadero em 1879 e que se tornará o atual Museu do Homem.”                                                                                                                                                                                           
“Através dessa atividade extrema, esses homens do século passado colocavam o problema maior da antropologia: explicar a universalidade e a diversidade das técnicas, das instituições, dos comportamentos e das crenças, comparar as práticas sociais de populações infinitamente distantes uma das outras tanto no espaço como no tempo.” […] são eles que mostraram pela primeira vez que as disparidades culturais entre os grupos humanos não eram de foram alguma a consequência de predisposições congênitas, mas apenas o resultado das situações técnicas e econômicas. Assim, uma das características principais do evolucionismo é o seu “anti-racismo”.p. 73.                                                                                                                                            
“Não há, como mostrou Kuhn (1983), conhecimento cientifico possível sem que se constitua uma teoria servindo de “paradigma”, isto é, de modelo organizador do saber, e a teoria da evolução teve incontestavelmente, no caso, um papel decisivo. Foi ela que deu seu impulso a antropologia. O paradoxo (aparente porque o conhecimento cientifico se dá sempre mais por descontinuidade teóricas do que por acumulação), é que a antropologia só se tornará cientifica (no sentido que entendemos) introduzindo uma ruptura em relação a esse modo de pensamento que lhe havia no entanto aberto o caminho.” p.74.
4 – OS PAIS FUNDADORES DA ETNOGRAFIA
Boas e Malinowski
“A etnografia propriamente dita só começa a existir a a partir do momento no qual se percebe que o pesquisador deve ele mesmo efetuar no campo sua própria pesquisa, e que esse trabalho de observação direta é parte da pesquisa.”
BOAS (1858-1942)
“Com ele assistimos a uma verdadeira virada da prática antropológica. Boas era antes de tudo um homem de campo. Suas pesquisas totalmente pioneiras, iniciadas, a partir dos últimos anos do século XIX (em particular entre os Kwakiutl e os Chinook de Colúmbia Britânica), eram conduzidas de um ponto de vista que hoje qualificaríamos de microssociológico”p. 77.              “A partir de Boas, […] não se pode mais confiar nos investigadores […], apenas o antropólogo pode elaborar uma monografia. Pela primeira vez o teórico e o observador estão reunidos.”p. 78.                                                                                           
“Assistimos ao nascimento de uma verdadeira etnografia profissional que não se contenta mais em coletar materiais à maneira de antiquarios, mas procura detectar o que faaz a unidade da cultura que se expressa através desses diferentes materiais.”p. 78.                                                                                                                                                                                
“Finalmente, ele foi um dos primeiros a nos mostrar não apenas a importância, mas também a necessidade, para o etnólogo, do acesso a língua da cultura na qual trabalha. As tradições que estuda não poderiam ser-lhes traduzidas. Ele próprio deve reconhecê-las na língua de seus interlocutores”p. 78.
MALINOWSKI (1884-1942)
“Malinowski, dominou incontestavelmente a cena antropológica, de 1922, ano de publicação de sua primeira obra, Os Argonautas do pacífico Ocidental, até sua morte, em 1942.”
1 - “Ninguém antes dele tinha se esforçado em penetrar tanto, como ele fez no decorrer de sua estadias sucessivas nas ilhas Trombriand, na mentalidade dos outros, e em compreender de dentro, por uma verdadeira busca de despersonalização, o que sentem os homens e as mulheres que pertencem a uma cultura que não é a nossa.”p. 80.                                                               
2 - “Instaurando uma ruptura com a história conjetural (a reconstituição especulativa dos estágios), e também com a geografia especulativa (a teoria difusionista, que tende, no início do século, a ocupar o lugar do evolucionismo, e postula a existência de centros de difusão da cultura, a qual se transmite por empréstimo), Malinowski considera que uma sociedade deve ser estudada enquanto uma totalidade, tal como funciona no momento mesmo que observamos. Com Malinowski, a antropologia se torna uma “ciência” da alteridade que vira as costas ao empreendimento evolucionista de reconstituição das origens da civilização, e se dedica ao estudo das lógicas particulares características de cada cultura. Hoje todos os etnólogos estão convencidos de que as sociedades humanas tanto quanto a nossa são sociedades humanas tanto quanto a nossa, que os homens e mulheres que nelas vivem são adultos diferentemente de nós, e não “primitivos”, autômatos atrasados que pararam em uma época distante e vivem presos a tradições estúpidas. Mas nos anos 20 isso era propriamente revolucionário.”p 81.                              
3 - “ A fim de pensar essa coerência interna, Malinowski elabora uma teoria (O FUNCIONALISMO) que tira seu modelo das ciências da natureza: o indivíduo sente um certo número de necessidades, e cada cultura tem precisamente como função à de satisfazer a sua maneira essas necessidades fundamentais.”                                                                                                  
4 – O homem deve ser estudado através da tripla articulação do social, do psicológico e do biológico.” p. 82.        
“Compreendendo que o único modo de conhecimento em profundidade dos outros é a participação a sua existência, ele inventa literalmente e é o primeiro a pôr em prática a observação participante.” p. 84.
5 – OS PRIMEIROS TEÓRICOS DA ANTROPOLOGIA
Durkheim e Mauss
DURKHEIM
“Durkheim, nascido em 1858, o mesmo ano que Boas, mostrou em suas primeiras pesquisas preocupações muito distantes das da etnologia, e mais ainda da etnografia. Em “As Regras do Método Sociológico” (1894), ele opõe a “precisão” da história à “confusão” da etnografia, e se dá como objeto de estudo “as sociedades cujas crenças, tradições, hábitos, direitos, incorporam-se em movimentos escritos e autênticos. Mas, em As formas Elementares da Vida Religiosa (1912), ele revisa seu julgamento, considerando que não é apenas importante, mas também necessário estender o campo de investigação da sociologia dos materiais recolhidos pelos etnólogos nas sociedades primitivas.” p. 88.                                                                        
“Sua preocupação maior é mostrar que existe uma especificidade do social, e que convém consequentemente emancipar a sociologia, ciência dos fenômenos sociais, dos outros discursos sobre o homem, e, em especial, do da psicologia. […] a causa determinante de um fato social deve ser buscada nos fatos sociais anteriores e não nos estados da consciência individual.” p. 88.                                                                                                                                                                              
“Essa irredutibilidade do social tem para Durkheim a seguinte consequência: os fatos sociais são “COISAS” que só podem ser explicados sendo relacionados a outros fatos sociais.” p. 89.
MAUSS
Marcel Mauss (1872-1950), nasceu como Durkheim, em Epinal, quatorze anos após este, de quem é sobrinho. Suas contribuições teóricas respectivas na constituição da antropologia moderna são ao mesmo tempo muito próximas e muito diferentes. Se Maus, faz tanto quanto Durkheim, questão de fundar a autonomia do social, separam-se muito rapidamente a respeito de dois pontos fundamentais: o estatuto que convém atribuir a antropologia, e uma exigência epistemológica que hoje qualificaríamos de pluridisciplinar.” p. 89.                                                                                                                                                   
“Um dos conceitos principais formado por Mauss é o do “FENÔMENO SOCIAL TOTAL”, constituindo na integração dos diferentes aspectos (biológico, econômico, jurídico, histórico, religioso, estético...) constitutivos de uma dada realidade social que convém apreender a sua integralidade.” p. 90.                                                                                                             
“Assim, essa “totalidade folhada”, segundo a palavra de Lévi-Strauss, comentador de Mauss (1960), isto é, “formada de uma multitude de planos distintos”, só pode ser apreendida na experiência dos indivíduos”. Devemos, escreve Mauss, “observar os comportamentos dos seres totais, e não divididos em faculdades”. E a única garantia que podemos ter de que um fenômeno social corresponde a realidade da qual procuramos dar conta é que possa ser apreendido na experiência concreta de um ser humano, naquilo que tem de único: “O que é verdadeiro, não é a oração ou o direito, e sim o melanésio de tal ou tal ilha”.                                                                                                                                                                                                               
“Ora, o que caracteriza o modo de conhecimento próprio das ciências do homem, é que o observador-sujeito, para compreender seu objeto, esforça-se para viver nele mesmo a experiência deste, o que só é possível porque esse objeto é, tanto quanto ele, sujeito”. p. 91.
OBS.:Este fichamente compreende apenas a 1ª parte do livro, a qual vai da página 1-91.

Um comentário:

Lyvia disse...

Estou desesperada, buscando algum meio o qual eu possa entender este assunto especificamente Marcel Mauss como um dos principais teóricos da antropologia. Irei apresentar um seminário, tal que explicação nenhuma foi dada para que houvesse um melhor entendimento do assunto. Vocês estão me salvando é muito complexo e sem explicação pior ainda.
OBRIGADA GENTE!!